Gastos Abertos divulga relatório do 1º ciclo com líderes regionais

Movimento busca conectar dinheiro público com cidadãos via capacitação, dispositivos legais e articulação política

Publicado para | Cidadania Fiscal | Controle Social | Fiscalização | Gestão Pública | Monitoramento | Participação popular | Participação social | Secundário | Transparência | Utilidade Pública em 02 de agosto de 2017 20:37

Após seis meses de jornada, o Gastos Abertos fechou o primeiro ciclo do jogo com líderes regionais. Com objetivo de documentar o que foi construído e a experiência de desenvolver uma tecnologia social nova, a iniciativa lançou o relatório “Primeiro Ciclo do Gastos Abertos 2016-2017”. “Assim, registramos os aprendizados e fortalecemos o propósito da OKBR (Open Knowledge Brasil) em relação ao conhecimento aberto”, disse Thiago Rondon, um dos coordenadores do Gastos Abertos. Ao todo, pessoas de 60 cidades brasileiras participaram do processo.

O documento conta detalhes sobre o primeiro ciclo, como os desafios enfrentados, apresenta a metodologia aberta, os resultados e aprendizados. Um dos pontos positivos apontado pelo relatório foi o interesse e o compromisso de muitos cidadãos em mudar a realidade de suas cidades com o uso de dados e que a tecnologia precisa estar acessível a eles.

Segundo Thiago, o primeiro ciclo foi de muito aprendizado. “Focamos na metodologia e escutamos muito os líderes para buscar uma maneira de construir um ciclo de atividades que possa ter mais impacto como dinâmica, e que ela possa ser recorrente. Agora, nosso foco é usar essa experiência no próximo ciclo para implementar um chatbot no Facebook que possa acompanhar e dar apoio aos líderes nas missões”, contou.

Abaixo, escolha o melhor formato para você visualizar o relatório “Primeiro Ciclo do Gastos Abertos 2016-2017”:

Preview do Relatório
Download PDF
Download EPUB

Feedback

Para Márcia Aparecida Reis, líder regional do Gastos Abertos e moradora da cidade de Três Corações (MG), a jornada foi de grande aprendizado. “O projeto é fantástico e extremamente importante para o controle social. Uma sociedade informada deixa de ser formada apenas por eleitores. Eles se tornam, além de eleitores, fiscais do seu próprio imposto. Espero poder contribuir em outros projetos do Gastos Abertos”, disse.

Um dos grandes destaques da iniciativa aconteceu em maio deste ano. O Prefeito de Balneário Camboriú (SC), Fabrício Oliveira, assinou a Carta Compromisso de Transparência do Gastos Abertos. O responsável pela articulação da iniciativa foi Gabriel Pimentel, líder local voluntário da Open Knowledge Brasil. A ação faz parte da terceira missão do ciclo 1 do Gastos Abertos.

“Não imaginei que iria aprender tanto. O Projeto me mostrou que combinar a tecnologia com o serviço público é um dos caminhos que podemos apostar na melhoria da qualidade de vida da sociedade. Dados abertos mais do que informarem quanto e para onde os recursos estão indo, eles são ótima fonte de indicadores e diagnóstico da situação do município. Foi muito gratificante para mim, saber que estou contribuindo para a melhora das estruturas cívicas da cidade”, conta Gabriel.

Depoimento

Confira, abaixo, o relato completo da Márcia Aparecida Reis, líder regional do Gastos Abertos, moradora da cidade de Três Corações (MG).

Conheci o Gastos Abertos via Facebook. Logo em seguida, fiz a minha inscrição com muita facilidade. Iniciamos a primeira missão informando como era o portal da transparência em nosso município. Já na segunda missão, naveguei pelo Portal da Transparência da Prefeitura de Três Corações e detectei o que não estava sendo lançado nele. Assim, foi gerado um pedido de informação juntamente com a Prefeitura. Foi muito fácil gerar o pedido. Porém, não foi possível efetuá-lo pelo Portal. Por isso, fui ao Gabinete do Prefeito e protocolei o pedido. Recebemos retorno após 19 dias.

Infelizmente, já na terceira missão, não tive sucesso. Era para que o Prefeito assinasse a Carta Compromisso – mesmo esclarecendo todo o trabalho realizado e a importância da Carta Compromisso, o mesmo me disse que não queria saber de transparência. Fato que me frustrou bastante. Porém, não podemos desistir. Finalizando a quarta missão, pontuei os servidores do Controle Interno que cooperaram com o nosso trabalho e colocaram o portal da transparência para funcionar – apesar disso, há cerca de 15 dias todos foram exonerados! Lamentável!

Dessa experiência, consegui apresentar o projeto ao Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Defesa do Patrimônio Público de Minas Gerais (CAOPP), que está analisando a possibilidade de desenvolvermos uma campanha com o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG). Também apresentei o Projeto ao Ministro do Tribunal de Contas da União João Augusto Ribeiro Nardes. Agora aguardo a data de disponibilidade do mesmo para que venha a Três Corações para um evento sobre Governança e Fiscalização. Além disso, fui convidada pela Sra. Patrícia Coordenadora da Ouvidoria do Tribunal de Contas de Minas Gerais a apresentar o trabalho que nós realizamos. É possível que o TCE-MG abrace a nossa causa. A reunião está agendada para o início de agosto/2017 na sede deles.

Como líder regional do Gastos Abertos, espero captar mais voluntários para nossa próxima fase.

O Projeto é fantástico e extremamente importante para o controle social. Uma sociedade informada deixa de ser formada apenas por eleitores. Eles se tornam, além de eleitores, fiscais do seu próprio imposto. Espero poder contribuir em outros projetos do Gastos Abertos. Agradeço a agilidade, seriedade, transparência, comprometimento e dedicação por parte dos diretores Ariel, Lucas e Thiago.

Quanto aos webinários, eles foram fundamentais para interagirmos com outros líderes do Brasil. A criação do grupo no WhatsApp também foi muito bom. Assim, nós pudemos trocar experiências uns com os outros quando havia alguma dúvida.

Em relação à Carta Compromisso, informo que não desisti. Vou insistir até que o Prefeito e os vereadores assinem.

Obrigada!

Márcia Aparecida Reis Líder Regional – Gastos Abertos

Via OKBR

Veja outras publicações das mesmas tags: | | | | | | | | | | | | | |

Mantenedores

Patrocinadores

ObservatórioSocial do Brasil

O OSB é uma instituição não governamental, sem fins lucrativos, disseminadora de uma metodologia padronizada para a criação e atuação de uma rede de organizações democráticas e apartidárias do terceiro setor. A Rede OSB é formada por voluntários engajados na causa da justiça social e contribui para a melhoria da gestão pública.